Repúdio aos Governos Municipais de São Paulo, Campinas e Santos por Discriminação de Gênero no Ponto Facultativo para Jogos de Seleções Brasileiras

A discriminação de gênero precisa ser combatida, de forma veemente, em todos os setores da sociedade

465

Ao longo dos anos, temos observado avanços significativos no reconhecimento e valorização do futebol feminino no Brasil. A Seleção Brasileira Feminina tem se destacado com talento e dedicação, conquistando torcedores e resultados expressivos.

No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer em termos de igualdade de gênero e reconhecimento das atletas, e recentes ações dos governos municipais de São Paulo, Campinas e Santos evidenciam um preocupante desequilíbrio de tratamento.

É com profunda indignação que manifestamos nosso repúdio aos governos municipais de São Paulo, Campinas e Santos por sua clara discriminação de gênero ao não concederem ponto facultativo aos jogos da Seleção Brasileira Feminina, enquanto, contraditoriamente, concedem esse benefício aos jogos da Seleção Brasileira Masculina.

Tal disparidade de tratamento é inaceitável e reflete uma mentalidade ultrapassada que perpetua a desigualdade de gênero no esporte e na sociedade em geral. Ao negar às jogadoras o mesmo reconhecimento dado aos jogadores, essas administrações municipais demonstram uma visão sexista e preconceituosa que precisa ser prontamente confrontada.

O futebol feminino tem conquistado admiradores em todo o mundo, com jogadoras que exibem habilidades técnicas excepcionais, elevando o nível da modalidade e servindo de inspiração para meninas e mulheres que sonham em seguir carreira no esporte. No entanto, é triste constatar que, mesmo com todo esse progresso, ainda há uma notável disparidade na forma como as seleções feminina e masculina são tratadas no Brasil.

Governo Federal

Nesse contexto, é imprescindível destacar a postura do Governo Federal, que, em contrapartida aos governos municipais mencionados, concedeu ponto facultativo aos jogos tanto da Seleção Brasileira Masculina quanto da Seleção Brasileira Feminina. Essa abordagem mais equitativa é um sinal encorajador de que a igualdade de gênero está sendo levada em consideração em esferas mais amplas do poder público.

Contudo, a postura dos governos municipais supracitados é lamentável e não pode ser ignorada. É hora de os gestores dessas cidades repensarem suas políticas e adotarem uma abordagem mais justa e inclusiva, concedendo o ponto facultativo também aos jogos da Seleção Brasileira Feminina. Além disso, é fundamental que tais medidas sejam acompanhadas de políticas públicas que visem à promoção da igualdade de gênero em todas as áreas, não apenas no esporte.

SINDVIÁRIOS

Seguindo o exemplo do Governo Federal, nossa instituição modificará o seu horário de atendimento para que todos possam acompanhar as partidas da seleção brasileira feminina de futebol.

O Brasil deve caminhar rumo a uma sociedade mais igualitária, na qual mulheres e homens tenham as mesmas oportunidades e sejam tratados com respeito e dignidade. Portanto, faz-se urgente que todos os setores da sociedade, incluindo os poderes públicos municipais, estaduais e federais, se unam em prol da erradicação de práticas discriminatórias e injustas.

Que este repúdio sirva como um alerta para que a discriminação de gênero no esporte seja combatida de forma veemente e para que o futebol feminino receba o devido valor e reconhecimento que tanto merece. Afinal, só quando houver equidade de oportunidades e tratamento é que poderemos verdadeiramente celebrar o talento e dedicação das nossas atletas da Seleção Brasileira Feminina.

1 COMENTÁRIO

  1. Pela a nossa Constituição nós mulheres temos o mesmo direito que os homens. Mais alguns governantes acham que os homens tem mais direito que às mulheres, vamos lutar para mostrar que temos o mesmo direito que os homens

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Digite seu nome